Categorias
Como usar as redes sociais Empreender em Social Media Facebook Instagram

O Que Mudou no Comportamento Digital do Consumidor Durante a Pandemia?

Muita coisa mudou em 2020, né? Algumas empresas descobriram que dá para vender online e ter bons resultados, outras fecharam, algumas pessoas se redescobriram no isolamento e muita gente aprendeu a fazer pão.

E tudo isso foi compartilhado em tempo real nas redes sociais, então o Twitter compilou uma série de dados da pandemia que nos ajudam a entender o que mudou na vida das pessoas desde março de 2020.

Aqui estão os dados que considerei mais interessantes para compartilhar com você:

– O termo ‘Live’ foi o mais usado nas conversas sobre música de março a abril;

– 17 de março de 2020 foi o dia mais triste da história do Twitter desde que as emoções dos tweets começaram a ser monitoradas em 2009;

– As conversas sobre saúde mental aumentaram 41% no Twitter desde março;

– A maioria das pessoas acredita que as marcas agora devem ser solidárias, positivas, informativas e atenciosas;

– Só 7% acreditam que o tom da comunicação das marcas não precisa mudar;

– As pessoas estão publicando 50% mais na rede social;

– 59% das pessoas se sentem inseguras em relação às suas finanças pessoais;

– As menções diárias sobre pão cresceram 37%.

E o que nós, enquanto profissionais das mídias sociais, devemos fazer neste momento?

  1. Procurar formas de se conectar virtualmente com os seguidores abraçando um pouco mais as imperfeições. O importante é transmitir sua mensagem, não precisa ser uma megaprodução.
  2. Nos adaptar às mudanças de emoção do público e entender que o tom de voz das marcas precisa estar em constante evolução.
  3. Buscar formas mais sustentáveis de trabalhar, permitindo que nossa saúde mental seja protagonista da história e não um incômodo.
  4. Ser realmente honesto, se responsabilizar pelos posicionamentos da marca e não só falar sobre os temas do momento por falar.
  5. Entender como as conversas da sua marca podem trazer conhecimento e dicas para as pessoas, com conteúdos autênticos e engajados com todos os grupos.
  6. Incentivar a desaceleração.

Se interessou pelo assunto?

Então baixe o estudo completo do Twitter para ver todos os detalhes (é maravilhoso, recomendo): NovasConversas_Analise_de_Comportamentos_Twitter (2).

Categorias
Como usar as redes sociais Empreender em Social Media Facebook Instagram Métricas SEO

4 Coisas que Você Deve Fazer Depois de Publicar um Novo Post no Seu Blog

Manter um blog atualizado é, possivelmente, a melhor forma de gerar tráfego para seu site, e isso vale para qualquer área de atuação. Mas depois de publicar no seu blog há 4 coisas que você precisa fazer ou seu post acabará se perdendo por falta de tráfego.

Um bom blog é importante para melhorar a posição do seu site no Google ou Bing, e ainda, para gerar tráfego de pessoas interessadas nas palavras-chave relacionadas ao seu negócio. E leitores podem virar consumidores, então continue a ler para ver como começar com o pé direito depois de clicar em ‘Publicar’.

1. Solicite a indexação do seu novo post no Google

Se a ideia é ter um blog que gere tráfego, a primeira coisa que você precisa fazer é garantir que o Google faça a indexação do seu post. Para isso, você precisa acessar a guia de Inspeção de URL do Google Search Console, colar a URL do seu post e aguardar a inspeção. Ao terminar, você verá um aviso de que esta página ainda não aparece nos resultados de pesquisa do Google, então clique em Solicitar Indexação.

O Google Search Console verificará se a nova página tem algum problema e, se estiver tudo certo, fará a indexação dela e você verá todos os elementos cinza ficarem verdes.

Pronto, seu post está ao vivo e disponível para o mundo. Vamos ao próximo passo?

2. Compartilhe nas redes sociais.

Parece até bobo dizer isso, mas se você precisa gerar tráfego a melhor forma de fazer isso é compartilhar seu link com o público que já conversa com sua marca nas redes sociais.

Antes de compartilhar seu post no Facebook, lembre de inspecionar sua URL no Depurador de Compartilhamento para ter certeza de que a imagem e o título corretos serão exibidos na sua publicação.

No Instagram você não pode usar um link no texto de descrição do seu post (bem, você até pode, mas ele não será clicável e acaba mais atrapalhando que ajudando), então lembre de pedir aos seus seguidores que cliquem no link que está no seu perfil.

Aproveite para ver nosso post sobre as 6 formas de compartilhar links no Instagram.

Se sua empresa está presente também em Twitter, LinkedIn e outras plataformas de redes sociais, compartilhe seu post por lá também e não esqueça do Pinterest.

O Pinterest  é plataforma muitas vezes deixadas de lado, mas se usado direitinho pode trazer resultados expressivos em Alcance para a marca (especialmente se sua marca estiver dentre as 10 categorias mais pesquisadas no Pinterest – Alimentos e bebidas; Decoração; Turismo; Saúde e Bem-Estar; Moda; Cabelo e Beleza; Faça-Você-Mesmo e Artesanato; Entretenimento; Casamentos; Eventos e Feriados).

Nosso desempenho recente no Pinterest. E o melhor: 100% orgânico.

3. Divulgue o post para seus assinantes

Você tem uma lista de assinantes, pessoas que já indicaram que gostariam de receber novidades sobre sua marca? Este é um bom momento para conversar com elas, mas lembre que não pode ser a única ocasião em que você conversa com as pessoas. Dê uma olhada no nosso post sobre Funil de Marketing para entender melhor como o e-mail entra na sua relação digital com consumidores.

4. Mantenha seu post atualizado

Se você pensa que seu trabalho termina no momento em que o post vai ao ar, está se enganando. Para que seu blog seja uma fonte de tráfego você precisará ter atenção aos sinais que indicam que seu conteúdo precisa ser atualizado.

O próprio Google Search Console pode ajudar você com isso, mas também o Google Analytics e outras ferramentas, como Ubersuggest (quem já fez nosso curso de mídias sociais sabe o quanto essa é uma ferramenta útil) e ClickFlow.

Anotou os 4 passos? Então agora é hora de criar seu novo post e colocá-los em prática!

Categorias
Como usar as redes sociais Facebook Instagram

Como escolher a plataforma de mídias sociais certa para sua marca?

Para saber em quais plataformas de mídias sociais divulgar sua marca é importante considerar a demografia do seu público.

Já falamos sobre a Geração Z no blog (clique aqui para ler), com direito a 11 dados sobre os nascidos a partir dos anos 2000. Mas e as demais gerações, quais redes sociais usam e como esses hábitos definem suas decisões de compra?

Para alinharmos tudo antes de começar, chamamos de Baby Boomers aquelas apessoas nascidas após o fim da 2° Guerra Mundial.

A Geração X é formada pelos nascidos entre 1960 e 1980.

A Geração Y (também conhecidos como Millenials), são pessoas nascidas entre 1980 e 2000.

Por fim, a Geração Z é a dos nascidos a partir dos anos 2000.

75% dos millenials tomam decisões de compra influenciados pela presença de uma marca em mídias sociais.

Dependendo da geração, as pessoas passam mais do seu tempo em uma ou outra plataforma. De acordo com os dados da Animoto, essas são as plataformas com maior tempo de uso por cada grupo:

Geração Z: YouTube | Instagram (Feed e Stories) | Snapchat

Geração Y: YouTube | Facebook (Feed e Stories)

Geração X: YouTube | Facebook (Feed e Stories)

Baby Boomers: YouTube | Facebook (Feed)

De acordo com os dados do We Are Social + Hootsuite o YouTube é a plataforma mais usada no Brasil, 96% das pessoas acessam o site pelo menos uma vez por mês. Em seguida estão o Facebook (90%); WhatsApp (88%); e Instagram (79%).

O YouTube é a plataforma escolhida como apoio de decisão de compra da Geração Z, Millenials e Geração X.

Uma tendência que se observa, também, é a do vídeo como criativo de publicações e anúncios. Essa opção acaba influenciando a confiança dos consumidores em relação às marcas. 70% dos Millenials (Geração Y) confiam mais em marcas que publicam vídeos do que nas que não usam este formato. Nas demais gerações a parcela é menor mas, ainda assim, chama a atenção: 52% da Geração Z, 52% da Geração X e 38% dos Baby Boomers confiam mais em marcas que publicam vídeos sobre seus produtos.

Os Baby Boomers passam a maior parte do seu tempo no YouTube e Facebook.

As plataformas são usadas de formas diferentes pelas diferentes gerações. Para seguir marcas, a Geração Z prefere o Instagram, enquanto as Gerações X e Y preferem o Facebook. Para descobrir novos produtos, a Geração Z e a X recorrem ao YouTube, e os Millenials usam o Facebook. A decisão de compra, por sua vez, é influenciada pelo YouTube na Geração Z, Y e X.

E com o seu público, como você observa o uso das plataformas de mídias sociais?

Categorias
Como usar as redes sociais Empreender em Social Media Facebook Instagram WhatsApp

Checklist para vendas online

Quem tem uma loja física sentiu mais fortemente os efeitos do distanciamento social, e muitas dessas empresas decidiram começar a vender pela internet. Sua empresa fez essa mudança? Olha esse checklist que vai ajudar você a melhorar a experiência dos seus clientes e aumentar seus resultados.

E continue lendo, porque tem mais alguns detalhes depois da imagem. 😉

1 – Escolha sabiamente seus canais de venda

Você não precisa estar presente em todas as plataformas, mas quando escolher uma plataforma, você precisa usá-la da melhor forma. Não adianta, por exemplo, ter um perfil no Pinterest se você não tem tempo de atualizar as informações por lá.

Você pode vender apenas pelo Instagram ou WhatsApp, não precisa obrigatoriamente usar todas. Neste caso, menos é mais.


2 – Defina claramente sua política de trocas.

Nas vendas online é fundamental seguir o que diz o Código de Defesa do Consumidor, mas você pode ir além e criar diferenciais nas regras de troca ou devolução. Comece colocando no papel quais são os prazos, qual é o procedimento, em que situações será feita a troca ou a devolução, etc.

3 – Descreva seus produtos nos mínimos detalhes.

Quanto mais você explicar seus produtos, menores serão as dúvidas dos seus clientes. Quanto menores as dúvidas, maior a chance de fazer a venda.
Para alimentos, indique listas de ingredientes, tabela nutricional, adequação a possíveis restrições alimentares, peso, tamanho, etc. Para vestuário, indique as medidas, explique como a cliente deve se medir, dê detalhes de acabamentos, indique como as peças devem ser lavadas.

4 – Facilite o pagamento.

É claro que o pagamento por depósito bancário tem custos reduzidos, mas é um processo de pagamento que leva um dia para ser confirmado, exige que o comprador envie comprovantes e não dá a opção de parcelamento.
Pesquise as taxas de plataformas de pagamento e, ao invés de enviar dados do seu banco, envie um link para que o cliente escolha como quer pagar, se quer parcelar ou pagar à vista.

São 4 passos simples que podem turbinar seu resultado de vendas online. Bora colocar em prática?

Publicado originalmente aqui.

Categorias
Facebook Google Ads Instagram

É hora de parar com suas campanhas de mídias digitais?

O isolamento social certamente terá impacto nas empresas, mas o que você deve fazer com suas campanhas digitais neste momento?

Que o momento, diante da pandemia de coronavírus e consequente isolamento social, é incerto todo mundo já sabe. E aí surge a questão de o que fazer com as campanhas de mídias digitais neste momento.

A primeira coisa é respirar fundo e lembrar que em algum momento sairemos do isolamento. E, quando isso acontecer, é uma boa ideia ter sua empresa pronta para retomar as atividades e colocar em prática os aprendizados da pandemia.

Para ajudar nessa decisão, aqui vão as respostas para as perguntas mais frequentes nos últimos dias.

Devo seguir publicando nas redes sociais da minha marca?

Sim. A ideia deste momento é, justamente, nos isolarmos fisicamente, mas mantermos nossas vidas em uma certa normalidade. Tanto que as empresas seguem trabalhando, mas os funcionários estão em home office ou a empresa trabalha apenas com entregas, mas mantém as portas fechadas.

Devo mudar minha estratégia?

Sim. Comentei no Instagram na semana passada sobre como ajustar o conteúdo para este momento, dá uma olhadinha aqui. Em linhas gerais, este é um momento para reavaliar o que você oferece e como. É também propício para apresentar uma face ainda mais humana da sua marca, compartilhando como suas esquipes estão trabalhando e como a marca está se adaptando para o período de isolamento.

  • Você tem algum produto ou serviço que pode ser oferecido à distância ou até virtualmente?
  • Como sua marca vai apoiar as pessoas – descontos, entrega, atendimento online, vantagens para quem consumir seu produto agora?
  • Como sua marca vai demonstrar que não está muda e entende o que as pessoas estão sentindo?
  • Devo parar minhas campanhas pagas?

Não. Considerando que você seguirá publicando, mesmo que com ajustes no conteúdo, é fundamental manter as campanhas ativas, por uma série de razões:

  • se seus concorrentes estão anunciando, sua marca fica para trás;
  • quando você para com conteúdo e anúncios, eventualmente sua página de Facebook e perfil de Instagram caem no ranqueamento feito automaticamente pelos algoritmos;
  • na hora em que você precisar voltar, vai ser como começar tudo do zero. Ou seja, 3 a 6 meses para seus resultados voltarem ao normal.

Seu concorrente está anunciando em Facebook e Instagram? Descubra aqui.

Este é um momento estratégico. A forma como você se posicionar (ou não) definirá a imagem da sua marca de agora em diante. Você quer ser lembrado como a marca que pensou no bem-estar dos funcionários? Como a empresa que pensou em melhorar a vida de outros em um momento delicado? Como a empresa que esteve perto dos seus consumidores, mesmo com a distância física?

Ou prefere ficar marcado como a empresa que se diz moderna, mas tem medo de admitir que sua equipe pode trabalhar bem remotamente? Como a marca que aumentou preços durante uma pandemia? Como o negócio disruptivo que demonstrou ser desconectado da vida real das pessoas?

A escolha é sua.


UPDATE – 26.03.20

Abri minha caixa de entrada e estava lá uma newsletter do Neil Patel (super recomendo o Ubersuggest, por sinal), com uma lista de perguntas para ajudar você a refletir neste momento:

Pensar no longo prazo e agir no curto prazo

  • Quem é o TOP player do seu mercado? E o que ele está fazendo agora?
  • Onde está sua visão?
  • O que você deve somar no seu negócio HOJE?
  • Quais as consequências de não agir agora?
  • Como você deve agir agora para que sua visão se concretize no longo prazo?

Livre concorrência

  • Quem é seu “inimigo”?
  • Como os seus concorrentes gostariam que você agisse?
  • Como você acha que seus concorrentes estão agindo?
  • O que faz de você “o único”?

Oferta x Demanda

  • Quem te ama (no mercado)?
  • O que você deveria ter feito antes da demanda se reprimir?
  • Você está preparado para quando a demanda reprimida voltar?
  • Qual a sua melhor oferta após a crise?

Custo de oportunidade

  • O que acontecerá se você ficar parado?
  • Qual a próxima tendência do seu mercado? Como você pode tirar proveito disso?
  • Como você expande seu sucesso?
  • Como manter o foco?

Categorias
Como usar as redes sociais Facebook Instagram

Como funciona o leilão em campanhas de Facebook e Instagram?

Para obter sucesso com sua publicidade em redes sociais, você precisa ter um conhecimento profundo sobre o leilão em campanhas do Facebook e do Instagram. Em meio a tantas informações, o seu anúncio deve vencer o da concorrência para alcançar o seu público- alvo.

Muitas pessoas que executam anúncios nessas plataformas provavelmente nem conseguiriam explicar o que é isso ou como funciona. Porém, é um conceito deveras importante e, se você não sabe como atender aos requisitos do leilão, está jogando em desvantagem.

Por isso, elaboramos este artigo para explicar exatamente como funciona o leilão em campanhas do Facebook e do Instagram para que você possa personalizar seus anúncios e, então, obter os melhores resultados possíveis.

O que é o leilão de anúncios do Facebook e do Instagram?

O Facebook e o Instagram querem exibir o melhor anúncio para o usuário em determinado momento, sem que o anunciante precise investir grandes quantias na campanha. Ou seja, as plataformas tentam entregar valor a quem anuncia ao mesmo tempo em que, claro, querem oferecer uma boa experiência para o usuário.

É aí que entra o leilão: o anúncio que ganhar esse leilão é exibido ao usuário. Contudo, esse sistema não funciona como os leilões amplamente conhecidos, isto é, você não ganha simplesmente dando o lance mais alto.

Como Facebook e Instagram querem ambas as partes (público e empresa) satisfeitas ao final do dia, eles levam em consideração alguns fatores em cada campanha veiculada. O anúncio que atender melhor a esses requisitos, entra no feed do usuário.

Isso resulta em anúncios relevantes para o público a custos baixos para os anunciantes. Falaremos sobre esses requisitos mais adiante.

Por que é importante que você saiba como o leilão funciona?

Os lances em anúncios do Instagram e do Facebook têm um efeito enorme nos resultados que você vê com as suas campanhas. Se você não está preparado para o sucesso no leilão, duas coisas podem acontecer:

  1. você pagará muito pelos resultados do anúncio, tornando sua campanha não lucrativa. Caso você não consiga oferecer os lances certos de anúncio, esse é quase um resultado garantido;
  2. seus anúncios nunca serão entregues. Se você não cumprir os critérios de lance, nem terá a chance de ser lucrativo, pois as pessoas simplesmente não poderão ver os seus anúncios.

Segundo o próprio Facebook, compreender como funciona o leilão ajuda que você entenda melhor o desempenho das suas campanhas.

Veja no próximo tópico!

Como funciona o leilão em campanhas do Facebook e do Instagram?

Todos os dias, bilhões de leilões acontecem nas plataformas do Facebook e do Instagram. O leilão de anúncios desses aplicativos funciona calculando o maior valor total. Eles usam um algoritmo para isso, que leva em conta apenas três fatores que definirão o vencedor. Veja a seguir.

LANCE

É o valor que você está disposto a pagar para obter uma conversão ou resultado desejado. Ao criar uma campanha, você informa isso para o aplicativo por meio de estratégias de lances, como:

  • Valor mais alto ou menor custo — obtenha o maior volume de resultados ou valor de compra para o seu orçamento;
  • Limite de custo — controle seus custos e obtenha o máximo de resultados de volume para o seu orçamento;
  • Limite de lance — controle seu lance em cada leilão;
  • Custo alvo — obtenha um custo consistente por resultado.

TAXAS DE AÇÃO ESTIMADAS

O Facebook é o rei dos dados. Eles podem usar seus dados para descobrir a probabilidade de alguém se envolver com seu anúncio ou executar a ação designada que você deseja. Então, eles examinam o histórico dos usuários segmentados e, com isso, eles podem determinar se são bons candidatos para visualizar seu anúncio ou não.

Isso remonta ao desejo do Facebook em criar o maior valor para as duas partes envolvidas. Se eles puderem exibir um anúncio relevante e útil para alguém a um baixo custo para o anunciante, eles o farão.

Entretanto, verifique se você não está dizendo às pessoas para se engajarem ou postarem. Você também deve evitar o clickbaiting, pois essas duas táticas resultarão em um baixo índice de qualidade do anúncio.

QUALIDADE DO ANÚNCIO

O terceiro e último ponto do algoritmo do leilão de campanhas é a qualidade do seu anúncio que, por sua vez, é determinada por vários fatores. Um deles é o tipo de feedback que as pessoas estão dando, após visualizarem seus anúncios. Os usuários podem, por exemplo, ocultá-los, caso não desejem vê-los. Isso é considerado feedback negativo.

O feedback negativo aumentará significativamente os custos do seu anúncio. Talvez pior, no entanto, seja ele afetar a reputação da sua conta. Como resultado de comentários negativos em seus anúncios, você pode ver um aumento no custo em todas as suas campanhas.

Por outro lado, se você tiver um anúncio realmente de alta qualidade, ele terá muitos compartilhamentos e engajamento, como pessoas marcando seus amigos, sem que você precise solicitar. Isso é, essencialmente, publicidade gratuita!

As outras coisas que o algoritmo analisa ao determinar a qualidade do anúncio são o conteúdo e as páginas de destino. Conteúdo de baixa qualidade pode ser descrito como:

  • reter informações no copy;
  • sensacionalismo;
  • isca de engajamento.

Uma página de destino de baixa qualidade pode ser considerada qualquer site que tenha:

  • uma alta taxa de rejeição;
  • nenhum conteúdo original;
  • toneladas de anúncios pop-up;
  • experiência inesperada no site.

Se você tiver um baixo índice de qualidade do anúncio, você saberá. O Facebook enviará uma mensagem de aviso, ou penalizará você. Portanto, apenas evite fazer qualquer coisa que resulte em uma má experiência do usuário, e você deve ficar bem.

Como ganhar o leilão de anúncios do Facebook e do Instagram?

Agora que você sabe um pouco mais sobre o leilão de campanhas do Facebook e do Instagram, estará melhor preparado ao configurá-las. Na verdade, você deve saber como personalizar seus anúncios para oferecer a melhor chance de sucesso no leilão.

Para isso, implemente uma estratégia de lances sólida e verifique se tem um alto índice de qualidade no anúncio. Se você fizer essas coisas, pode confiar que as plataformas exibirão seus anúncios para as pessoas certas, pelo custo certo.

O leilão em campanhas do Facebook e do Instagram é a maneira de as plataformas mensurarem a relevância dos anúncios para os usuários. Seguindo seus requisitos, você alcançará seu público e obterá sucesso com suas investidas.

Quer aprender tudo sobre campanhas de Facebook Ads e Instagram Ads? A edição 2020 da Formação em Social Media está chegando, garanta sua vaga aqui.

Categorias
Como usar as redes sociais Facebook Uncategorized

Como resolver 4 problemas comuns no Facebook

Os seus anúncios no Facebook estão custando muito? O envolvimento do seu público está muito baixo? Há quem diga que o Facebook está morrendo, mas os 127 milhões de usuários mensais no Brasil indicam que a plataforma ainda é um excelente canal para os negócios.

Mesmo assim você tem tido pouco retorno e não sabe como resolver isso? Neste artigo, você encontrará causas e soluções para problemas comuns de marketing de mídia social. Continue conosco e coloque o seu marketing do Facebook de volta no caminho certo!

1. Suas publicações no Facebook recebem pouco envolvimento

Apesar de publicar regularmente no Facebook, seu engajamento é baixo ou inexistente. Você tentou vários tipos de publicações, em diferentes horários do dia e da semana, e ainda não está vendo resultados.

Possíveis causas e soluções

Você não entende realmente o seu público do Facebook nem o comportamento deles.

É crucial que você entenda quem é o seu público no Facebook e quais tópicos eles querem ver e ouvir, para que você possa preencher essas lacunas com conteúdo interessante ou de entretenimento. Verifique suas informações do público-alvo do Facebook para ver exatamente quem é a sua audiência e o que a interessa, além de verificar que horas e dias está on-line.

Para acessar seus Insights, abra o Gerenciador de Negócios, passe o mouse sobre Todas as Ferramentas e selecione Insights do público-alvo. Na janela pop-up, selecione Pessoas conectadas à sua página.

Na barra lateral esquerda, selecione sua página do Facebook para ver informações detalhadas sobre seus seguidores. Clique nas guias à direita para saber mais sobre a demografia desse público, seus interesses, localizações geográficas e muito mais.

Você não está exibindo nenhum conteúdo novo, interessante ou relevante do Facebook.

Se você continuar criando o mesmo conteúdo no Facebook ou os mesmos tipos de anúncios, continuará vendo os mesmos resultados ou nenhum resultado. A mídia social muda constantemente e o que funciona em um mês pode não funcionar no seguinte.

Para ficar à frente do algoritmo, sua estratégia de marketing e conteúdo do Facebook precisa estar em constante evolução. Caso contrário, seus resultados diminuirão ou ficarão estagnados.

Procure sempre fornecer conteúdo que seja útil, informativo e interessante, em vez de conteúdo que simplesmente preencha seus objetivos comerciais ou pessoais. Acompanhe o que está funcionando no seu marketing do Facebook e faça mais isso. Relatórios consistentes e regulares são essenciais para entender o que funcionará na próxima vez e o que não funcionará.

Veja também o que está dando certo nas páginas de seus concorrentes. Mas não copie o que eles estão fazendo. Ao contrário, tire lições e use-as para criar conteúdo ainda melhor e mais exclusivo que o dos concorrentes.

Se você não tiver certeza sobre o que publicar, pergunte aos seus seguidores em que tipo de conteúdo eles estão interessados. Faça uma pesquisa no Facebook em sua página ou faça perguntas para descobrir o que eles querem ver. Aqui estão algumas boas dezenas de dicas para você criar conteúdo!

Você também pode enviar uma mensagem direta para as pessoas que já conversaram com sua página e oferecer um incentivo (como um prêmio ou um desconto) para simplesmente responder a perguntas sobre o que lhes interessa. Se você não obtiver respostas suficientes, pergunte novamente ou forneça um incentivo melhor.

Se você tem uma loja, pergunte à sua base de clientes atual o que eles estão procurando ou, ainda, considere algumas das perguntas frequentes e tente respondê-las por meio do seu conteúdo.

Veja, por exemplo, o conteúdo que criamos para a RCD Ambientare para desvendar os símbolos contidos nas etiquetas de roupas. Dúvidas extremamente comuns que renderam ótimas publicações!

Um conteúdo evergreen e de qualidade sempre será popular, mas se você ocasionalmente aproveitar as tendências atuais com rapidez, seu conteúdo terá o potencial de se espalhar para um público mais amplo. Nem todo mundo está fazendo isso (muito menos empresas) porque o conteúdo rápido, on-trend e responsivo leva tempo e recursos para coordenar.

Use ferramentas como o Google Trends, o BuzzSumo ou o Feedly para pesquisar conteúdo de tendências. Com o Feedly, você pode configurar alertas do Google, seguir páginas em diferentes categorias (ou pesquisar tendências manualmente) e salvar artigos para ler mais tarde.

Quando você planeja publicações no Facebook em seu calendário de conteúdo de mídia social, deixe lacunas para uma ou duas publicações mais oportunas e adicione-as quando encontrar uma tendência cultural relevante que funcione para sua página do Facebook.

2. O engajamento é alto, mas as conversões são baixas

Você está recebendo um envolvimento fantástico no Facebook. Os usuários estão curtindo, comentando e compartilhando suas publicações. Bom para você! O problema é que o engajamento simplesmente não está se traduzindo em vendas, leads ou quaisquer que sejam seus objetivos gerais.

Possíveis Causas e Soluções

Seu conteúdo do Facebook tem um bom desempenho, mas não é relevante para seus produtos ou serviços.

Os usuários do Facebook podem ter algum interesse em sua empresa ou página, mas sua motivação para seguir você é o conteúdo de qualidade. Isso não é bom em longo prazo, especialmente se a manutenção da sua atual estratégia de marketing do Facebook tiver um alto custo para você em termos de tempo ou dinheiro.

No entanto, não é uma posição tão ruim estar “no curto prazo”. Você entende claramente o que seus clientes gostam; você só precisa considerar como você pode usar o Facebook para converter esses fãs em superfãs e clientes.

Se você está tentando vender um produto ou serviço, seu conteúdo no Facebook precisa ser relevante não apenas para o seu público, mas também para a sua empresa. Cada parte do conteúdo deve atender a uma meta específica (mesmo que essa meta seja meramente divertida) e deve ficar nesse ponto ideal entre as necessidades de seu público e suas metas de negócios.

Olha só este conteúdo que criamos para o Empório Canela, outro cliente nosso. A publicação sobre o livro deles que permite que os consumidores façam em casa os seus pratos prediletos é um ótimo exemplo de conteúdo que alinha o produto à marca deles.

Se o seu conteúdo já for ótimo, tenha cuidado ao alterar as coisas de maneira muito drástica e rápida demais. Você não quer que os usuários desativem ou deixem de seguir sua página porque você não está mais fornecendo o tipo de conteúdo que eles gostam, não é mesmo?

Então, tente manter a integridade e a personalidade da sua presença no Facebook, além de continuar entregando as mensagens que você precisa entregar. Seu público ama memes engraçados? Você pode criar memes originais sobre suas vendas, produtos ou serviços que falam sobre os pontos de dor ou de paixão dos clientes, como abrir uma caixa de seus produtos, aguardar seus produtos chegarem ou ter a necessidade de seus serviços.

Portanto, transforme suas mensagens comerciais em seu conteúdo do Facebook de maneira relevante sem comprometer a qualidade.

Você não criou um funil de anúncios no Facebook eficaz.

Seus seguidores no Facebook gostam do seu conteúdo e eles até têm o potencial de converter, mas não estão chegando lá. Isso não necessariamente acontecerá, contanto que você tenha uma estratégia eficaz.

Use os Facebook Ads para segmentar esses usuários em todos os estágios do funil, especialmente nas fases mais avançadas. Em um nível básico, se você tiver um site, você deve ter o pixel do Facebook. Talvez você já tenha até direcionado usuários para o seu website. Usando o pixel do Facebook, redirecione os usuários que já visitaram o seu site ou, até mesmo, os usuários que clicaram em páginas específicas com mensagens de vendas direcionadas.

Envie a eles um código de desconto ou uma oferta por tempo limitado. Ou nos anúncios para geração de leads, ofereça um e-book contendo conselhos úteis em troca de suas informações.

3. Feedback negativo na sua página do Facebook é comum

Os usuários estão deixando de seguir sua página no Facebook, ou você está recebendo reações negativas, comentários ou mensagens diretas para a página. Isso pode ser um sinal de que você precisa alterar sua estratégia de marketing do Facebook ou pode indicar problemas maiores com sua página.

Possíveis Causas e Soluções

Você não responde a comentários e perguntas no Facebook.

Se você não estiver reconhecendo comentários e perguntas, ou se estiver usando respostas padrão para perguntas que precisam ser abordadas separadamente ou personalizadas para determinado usuário, seu público ficará cada vez mais frustrado.

Um processo abrangente de gerenciamento da comunidade resolverá muitos desses problemas, e será muito útil se mais de uma pessoa estiver ajudando a gerenciar sua presença no Facebook. Esse processo deve incluir:

  • um documento abrangente das perguntas frequentes (FAQ) que você pode ajustar para usuários individuais e seus questionamentos e necessidades específicas;

  • um processo de escalonamento para determinar o que acontece com as dúvidas que começam a sair do controle;

  • uma pessoa dedicada para gerenciar a página e responder à maioria dos questionamentos.

4. Os custos dos seus Facebook Ads são muito altos

Não importa o que você faça, os custos dos seus anúncios no Facebook estão bem acima dos benchmarks, mas você não tem certeza de como corrigi-los. Você está investindo muito dinheiro em redes sociais pagas e tendo resultados mínimos.

Possíveis Causas e Soluções

Sua segmentação de anúncios do Facebook está desativada.

Sua segmentação pode ser muito ampla ou esse público pode ser muito competitivo. Felizmente, existem muitas maneiras de descobrir novos públicos para suas campanhas no Facebook. Você só precisa tentar coisas diferentes, testar um aspecto de cada vez e registrar o que está funcionando e quando.

Certas segmentações podem até ser competitivas apenas em determinadas épocas do ano. Para ilustrar, se você for uma empresa B2C que vende presentes segmentados para homens antes do Dia dos Namorados, isso tornará esse grupo de segmentação mais competitivo, aumentando os custos de anúncios em torno desse período. Considere estas flutuações ao orçamentar.

Outra possível causa é que sua mensagem não é forte o suficiente ou relevante para esse grupo. Revise o texto do seu anúncio e seja criativo. É atraente o suficiente para o seu público-alvo? Aqui estão algumas dicas para escrever textos de anúncios eficazes no Facebook:

  • adapte o seu texto ao seu mercado-alvo. Você está usando a linguagem correta? Se você estiver vendendo relógios masculinos de luxo, o texto do anúncio e seus recursos criativos devem parecer premium. Por outro lado, às vezes, um texto chamativo pode funcionar para um produto com um preço baixo;

  • escreva um texto curto, conciso e cativante, sem palavras desnecessárias;

  • faça um texto convincente. Idem para o seu título.

Embora o texto do anúncio seja importante, o fator criativo do seu anúncio é crucial. Tente testar diferentes imagens, vídeos, carrosséis ou Canvas e sempre registre seus resultados à medida que avança. Teste o tipo de imagem. Seus anúncios funcionam se eles apresentam imagens de pessoas? Um certo tipo de visual funciona melhor que outros?

Se o olho de uma pessoa for direto para a imagem em vez do texto, faz sentido ter texto na imagem. Mas lembre-se de que o Facebook permitirá apenas 20% de texto para imagens usadas em anúncios.

Você não está testando e otimizando seus anúncios do Facebook corretamente.

Com os anúncios do Facebook, muito do que fazemos é aprendido com testes A/B. É importante testar apenas um aspecto dos seus anúncios de uma vez para que você possa entender exatamente o que está funcionando e otimizar corretamente. Se você estiver usando 20 interesses diferentes em sua segmentação e alterando constantemente os tipos de texto e anúncio, não será possível reunir insights definitivos em longo prazo.

Fazer testes em campanhas é uma ação primordial do marketing digital.

Você não está usando as plataformas certas para os tipos de anúncios certos.

Algumas pessoas descobrirão que determinados tipos de anúncios funcionam melhor em plataformas diferentes. Por exemplo, a geração de leads pode funcionar bem no Facebook, enquanto um conteúdo promovido funciona bem no Twitter, e os anúncios de tráfego podem funcionar melhor no Instagram. Mais uma vez: o teste é uma parte crucial do processo.

Criar uma estratégia de marketing eficaz no Facebook que se traduza em resultados definitivos para o seu negócio nem sempre é fácil. O algoritmo muda com frequência, por isso sua abordagem precisa estar em constante evolução para atingir seus objetivos. Com essas dicas para resolver problemas comuns que você provavelmente encontrará no Facebook você poderá reativar seus esforços de marketing.

Como você pôde notar ao longo do post, aqui na Petit nós não ficamos apenas na teoria. Nós fazemos na prática tudo aquilo que ensinamos. E por aqui estamos tendo ótimos resultados.

E você? Que tal aprofundar seu conhecimento e aperfeiçoar suas estratégias de marketing de mídias sociais? Inscreva-se no nosso curso de Formação em Social Media e tenha melhores resultados para as suas campanhas!

Categorias
Como usar as redes sociais Facebook

Como editar uma publicação impulsionada no Facebook?

Se você tem promovido campanhas no Facebook há um tempo, é muito provável que já tenha deixado passar algum erro de informação ou de digitação, certo? Apesar dos inúmeros recursos publicitários que a plataforma oferece, editar uma publicação impulsionada ainda gera dores de cabeça nos profissionais de marketing.

A publicidade no Facebook é uma das melhores maneiras de promover seus produtos ou serviços. Milhares de anunciantes confiam em sua infinidade de opções de publicidade para produzir resultados sólidos nos negócios.

No entanto, a maioria ainda escolhe o caminho mais longo para as tarefas mais simples, desperdiçando um tempo precioso de trabalho.

Se você prefere gastar seu tempo com questões estratégicas em vez de lidar com problemas mundanos e demorados, então precisa conhecer um truque para configurar ou editar o seu anúncio no Facebook. E é por isso que estamos aqui. Acompanhe!

O problema

A situação é muito comum para quem trabalha com conteúdo ou tráfego no Facebook. Você escreve um anúncio, impulsiona a campanha e, depois de um tempo, percebe que cometeu alguns deslizes. Seu texto precisava de uma vírgula, por exemplo.

Então, você descobre que não pode editar o seu anúncio. Isso acontece porque o Facebook, apesar de disponibilizar inúmeros recursos para a publicidade na plataforma, não permite edições em postagens associadas a anúncios.

E isso não é válido apenas para Ads ativos, mas também se se aplica a postagens vinculadas a campanhas que foram concluídas há muito tempo.

Quando isso acontece, você tem duas opções: relaxar e deixar a campanha do jeito que está, ou excluir o anúncio e postá-lo novamente. Ao deletá-lo, a postagem é desassociada do anúncio e pode ser editada (pelo editor de páginas do Facebook) e agora você pode configurar o Ad desde o início.

Tenha em mente que simplesmente pausar o anúncio não funciona, e você mesmo assim não conseguiria editar a postagem. Isso ocorre porque um anúncio pausado ainda associa uma postagem a um anúncio, apesar de não estar mais ativo. Você precisa excluir completamente o anúncio para desvincular a postagem e redefini-la desde o início quando a edição for feita.

O problema disso é que, ao apagar a publicação, você perde todos os dados de resultados que coletou (comentários, curtidas e compartilhamentos) até então.

Nenhuma dessas opções parece ser a ideal, não é mesmo?

A solução

Em vez de fazer todo esse trabalho de excluir, reescrever e impulsionar a campanha novamente, existe um método muito mais simples para resolver o problema.

Não exclua o anúncio configurando-o desde o início. Basta pausá-lo e, em seguida, selecionar uma postagem diferente da postagem anunciada e fazer o upload das alterações. Dessa forma, você não precisa excluir nada e a postagem em questão deixa de ser associada a um anúncio e pode ser editada. Após a alteração, basta selecionar a postagem editada e reativar o anúncio.

Então:

  1. pause o anúncio;

  2. selecione “alterar publicação” ou “inserir a identificação da publicação”;

  3. coloque outra postagem no lugar;

  4. publique a campanha novamente.

Ao fazer isso, você pode voltar para o post e notar que a opção “editar publicação” estará disponível de novo. Assim, você consegue fazer a edição necessária e repetir o processo, inserindo a publicação correta de volta na campanha.

Se você costuma manipular os Ads de diversas páginas, esse pequeno truque economizará muito tempo, sem mencionar que evitará que você crie os mesmos anúncios já publicados.

Apenas certifique-se de que você tenha:

  • pausado o anúncio ao selecionar uma postagem diferente; e

  • feito o upload das alterações para que elas possam entrar em vigor.

Simples, não é mesmo?

É muito comum cometermos erros gramaticais e ortográficos nos textos de anúncios, e ninguém está livre de se enganar e digitar informações equivocadas nos Ads. Mas agora você já sabe como editar uma publicação impulsionada no Facebook de maneira simples, sem perder seus dados. Apenas lembre-se de revisá-la bem, ok?

Que tal aprofundar seus estudos e saber mais sobre campanhas e segmentação no Facebook e Instagram com a Petit? Conheça o nosso curso de Formação em Social Media EAD!

Categorias
Como usar as redes sociais Facebook Google Ads Instagram

Qual é a diferença de anunciar em Mídias Sociais e no Google?

Quando o assunto é marketing digital, há poucas dúvidas de que o Facebook e o Google dominam a publicidade no meio virtual, tamanha a influência que as empresas exercem sobre as pessoas hoje. Se você quer alcançar o seu público, então essas plataformas são os melhores lugares para você estar.

Há diversos canais de mídias pagas para você rodar suas campanhas e divulgar seus anúncios. Mas, dada a abrangência, os recursos que oferecem e os resultados que garantem, o Facebook e o Google serão nosso foco neste artigo.

A pergunta que não quer calar é: qual deles é a melhor opção para o seu negócio? A seguir, mostraremos alguns dados para que você consiga entender as diferenças entre anunciar entre mídias sociais e no Google para, então, montar a sua estratégia. Vamos lá?

Como funciona o Facebook Ads?

Por que as pessoas estão no Facebook? Elas estão fazendo pesquisas, buscando um meio para resolver um problema? Elas precisam de um encanador? Obviamente não.

O Facebook é uma rede social e isso significa que a maioria dos usuários não está lá para procurar por encanadores ou comprar produtos. (Pelo menos a intenção de compra não é tão alta assim). Contudo, isso não significa que você não deva investir em Facebook Ads.

Com mais de 2 bilhões de usuários ativos por mês, você pode encontrar praticamente qualquer tipo de público-alvo e nicho de mercado na plataforma. Como alcançá-los? No Facebook Ads os anúncios são exibidos para os usuários com base no perfil que você determinou na sua estratégia e no comportamento online deles.

Quer conhecer mais dados sobre o público do Facebook e Instagram? Visite o QG dos Insights da plataforma.

Dessa forma, uma pessoa pode ver o seu anúncio mesmo que não tenha ativamente demonstrado nenhum interesse no seu produto ainda. Ou seja, você vai alcançar muitas pessoas que estão na fase de descoberta e, para que haja uma real conversão, a oferta que seu anúncio faz precisa ser muito atrativa.

Em resumo, o Facebook Ads é muito eficaz em estratégias que têm como objetivo aumentar o volume de leads, engajar clientes, gerar interesse, posicionar a marca e cosntruir uma boa relação com os usuários — que, no futuro, não serão apenas consumidores, mas também fãs.

O Facebook oferece, basicamente, três formatos de anúncios: imagem + texto, vídeo e título + texto. Eles aparecem no feed de notícias ou na barra lateral, à exceção do vídeo, que só pode ser veiculado no feed.

Como funciona o Google Adwords?

Bom, agora refazemos a pergunta: por que as pessoas usam o Google? A resposta para essa questão demonstra a principal diferença entre as duas plataformas.

Enquanto o Facebook utiliza a segmentação do público baseado em dados como sexo, idade, localização, profissão, status de relacionamento e interesses pessoais, o Google Adwords segmenta os usuários com base em palavras-chave.

Ou seja, o estágio da jornada em que se encontra o cliente é muito mais avançado aqui. Diferentemente do que acontece nas redes sociais — em que o consumidor ainda não sabe se quer algo, mas por meio da sua campanha será impactado e avançará rumo à aquisição — quem vai ao Google está ativamente procurando por um produto ou serviço.

Geralmente, o usuário busca por informações adicionais, preços e, claro, uma oferta que seja irrecusável. Ou seja, na maioria das vezes, o seu público-alvo no Google Ads está mais bem encaminhado para o ato da compra.

Com impressionantes 100 bilhões de buscas por mês e mais de 2 trilhões durante o ano, o Google é líder na área e oferece diversos formatos de anúncios, além da possibilidade de veiculá-los em diferentes canais, como o YouTube.

Os anúncios em banner podem ter tamanhos diferentes, bem como apresentar somente texto, texto + foto, vídeo e link + texto.

Quanto à estratégia, o Google Adwords é muito eficiente nas campanhas que visam gerar conversões de modo geral — vendas, captação de leads, downloads de aplicativos e e-books, atração de tráfego etc.

E sobre o Instagram?

Muito bem, mas e o Instagram? No que diz repeito aos formatos de anúncios que têm mais sucesso nas redes sociais, o Facebook Ads e o Instagram Ads se assemelham. Isto é, dificilmente algo que deu certo em uma plataforma não responderá bem na outra.

Afinal, tal como o Facebook, o Instagram é uma rede social e seus usuários não buscam ativamente por soluções.

Contudo, é preciso ficar atento às particularidades do Instagram:

  • o smartphone é responsável por 100% do tráfego no Instagram (suas campanhas devem ser responsivas para celular, portanto);
  • as métricas de desempenho nem sempre são iguais às do Facebook (taxas de conversão são, geralmente, menores no Instagram. Muitas vezes por causa da landing page pouco estruturada para smartphones);
  • 90% dos usuários do Instagram têm menos que 35 anos e, por isso, respondem a diferentes CTAs.

Botando na balança, o Facebook, hoje, ainda oferece melhores opções de segmentação e, portanto, os anúncios levam mais vantagem sobre o Instagram.

Como você pôde ver, anunciar em mídias sociais e no Google tem grandes diferenças, não é mesmo? A sua opção deve levar em consideração os objetivos que você quer atingir. Mas acreditamos que essa não seja uma questão de escolher entre uma ou outra plataforma, e sim de usá-las ao mesmo tempo.


Gostou da leitura? Nosso artigo foi interessante para você? Você encontra mais conteúdos como este no nosso blog, toda semana tem um post novo para você! Entre, e fique à vontade. 🙂

Categorias
Facebook Instagram SEO

Como gerar leads em mídias sociais?

Sejamos diretos: os seus próximos clientes estão nas mídias sociais. Ao encontrá-los — e encantá-los — você pode aumentar o ROI das suas estratégias de marketing digital e levar a sua empresa para outro patamar, acima de seus concorrentes.

Não é à toa que gerar leads é o foco de 66% das marcas. Afinal, quem não deseja ter fãs incondicionais divulgando o nome da empresa e, mais, convertê-los em clientes reais?

A questão é: como converter o público-alvo em clientes em potencial? Como atrair e engajar essas pessoas? Em outras palavras, como gerar leads em mídias sociais? Continue conosco, neste post, trazemos algumas dicas para você.

O que é lead?

Antes de falarmos em como gerar leads, precisamos saber exatamente o que é um lead. De maneira bem simples e direta, lead é aquela pessoa que demonstra um real interesse nos produtos ou serviços que você tem a oferecer. São os seus potenciais clientes.

Um lead demonstra interesse na sua marca ao fornecer seus dados de contato preenchendo um formulário na sua landing page, assinando sua newsletter, baixando um e-book ou se inscrevendo para um curso gratuito, por exemplo. Ou seja, é uma pessoa que, mesmo não tendo comprado seus produtos e serviços, está atenta ao que você faz e deseja saber mais sobre o assunto que você domina.

Ela fornece seus dados de contato em troca de algum benefício que você esteja oferecendo. Dessa forma, ao conseguir o e-mail ou o telefone desse lead, você tem a possibilidade de nutrir uma relação com ele, enviando conteúdos relevantes no momento certo, engajando-o para avançar no funil de vendas para, finalmente, concretizar a venda.

Portanto, é a partir dos leads que a sua marca adquire uma rede de contatos qualificados, leva pessoas a realizarem conversões (compras ou engajamento), amplia os relacionamentos e consegue uma divulgação orgânica para o negócio.

Como gerar leads nas mídias sociais?

Você conhece alguém que gosta de receber ligações de telemarketing ou e-mails aleatórios sobre assuntos e negócios dos quais nunca ouviu falar ou não tem interesse? Provavelmente, sua resposta é não.

Esse tipo de abordagem tende a ser rejeitada ou ignorada em vez de ser aceita com satisfação. E a razão é muito simples: as pessoas não querem ser interrompidas, não querem perder tempo com o que não lhes interessa.

Por isso, as estratégias de inbound marketing — as que buscam interagir com o público em vez de obrigá-lo a consumir uma campanha — têm crescido e revolucionado a maneira como as pessoas adquirem produtos e serviços.

Nessas táticas de engajamento é preciso criar conteúdo rico e coerente, capaz de gerar leads para serem capturados, identificados, nutridos e qualificados.

Isso significa que existem outras maneiras de aumentar a geração de leads que não apenas direcionando o público para um formulário na landing page. Veja a seguir algumas dicas para isso.

Ofereça conteúdo gratuito de qualidade

O comportamento dos consumidores mudou e, hoje, as pessoas preferem adquirir mais conhecimento sobre os seus próprios problemas para, então, se aprofundar nas possíveis — e melhores — soluções para eles.

Ao oferecer conteúdos mais extensos e mais completos, você demonstra para sua persona a sua autoridade no seu nicho e estreita a relação com ela. Uma maneira de entregar esse tipo de conteúdo e conseguir os dados de contato do usuário é por meio de conteúdo escondido.

Isso mesmo: compartilhe links com conteúdo escondido que o público só pode ter acesso se fornecer seus dados. Muitas pessoas vão clicar na sua landing page sem acessar o conteúdo (talvez não estejam tão interessadas assim), mas, se o seu conteúdo for relevante e interessante o suficiente, você obterá sucesso.

Esse conteúdo pode ser:

  • e-books;

  • cursos gratuitos;

  • webinários;

  • infográficos;

  • templates;

  • planilhas;

  • checklists;

  • ferramentas.

Encontre quem está procurando você

De nada adianta criar e disponibilizar conteúdo de qualidade se as pessoas não encontram o que você oferece. Utilize as ferramentas da internet a seu favor e seja ativo na busca por quem está perguntando sobre o seu segmento.

Assim, monitore e crie alertas para palavras-chave do seu segmento, menções do nicho, dúvidas, etc.

Invista em SEM (Search Engine Marketing)

Mesmo havendo outros mecanismos de buscas, a maioria esmagadora das pessoas vai recorrer ao Google. Por isso, saiba quais são os seus critérios de ranqueamento e crie seus conteúdos com base em estratégias de SEO (Search Engine Optimization) e links patrocinados.

Anuncie em mídias sociais

As postagens orgânicas são segmentadas até certo ponto e os anúncios direcionados levam sua segmentação a outro nível. Portanto, a capacidade de gerar leads em grupos de clientes potenciais é muito maior. O uso de públicos-alvo altamente específicos para promover um conteúdo exclusivo é uma ótima maneira de manter baixos os custos de publicidade e, além disso, garante que os leads coletados sejam de qualidade.

O marketing de mídias sociais evoluiu para incluir, além da simples segmentação, ferramentas específicas para geração de leads em mídias sociais: formatos de anúncios criados para ajudar os profissionais do marketing a coletar leads diretamente nas redes sociais.

Assim, algumas ferramentas disponíveis são:

Faça uma pesquisa segmentada geograficamente

A maioria das empresas já sabe usar a segmentação geográfica para veicular suas postagens e anúncios nas mídias sociais para alcançar seu público-alvo mais próximo ao seu negócio. Mas poucas marcas aproveitam a pesquisa social segmentada geograficamente para descobrir leads locais.

Por exemplo, você pode usar esse tipo de a pesquisa para rastrear os tweets provenientes do local de uma conferência do setor, independentemente de você estar lá ou não. Assim, você pode entrar em contato com as pessoas que tweetaram do evento com uma oferta personalizada (como uma avaliação do seu aplicativo), ou apenas para dizer olá e estabelecer uma conexão para desenvolver ao longo do tempo.

Aí vão algumas ferramentas para você:

Não subestime o CTA

Não subestime o poder da Chamada para Ação (Call to Action – CTA). Cada conteúdo criado e disponibilizado pela sua marca deve ser pensado a partir de estratégias que atraiam os potenciais clientes e os conduzam no processo decisório. O CTA é uma parte fundamental do seu conteúdo para tornar um visitante um lead e deve, portanto, ser adequado e coerente com o conteúdo, direcionando os usuários a uma ação específica.

Por exemplo, em um post de blog o CTA pode guiar a persona a ler outros conteúdos relacionados. Ou ainda pode levar a assinar uma newsletter, preencher um formulário, ter acesso a um e-book, etc.

Muito bem, aí estão algumas dicas para você investir e gerar leads nas mídias sociais. Lembre-se que, após o contato com o lead, você precisa nutrir essa nova relação para estreitar os laços com o cliente e avançar no funil de vendas.


Quer ter uma compreensão ainda mais sólida sobre mídias sociais? Inscreva-se na nossa Formação em Social Media EAD e aprofunde seus conhecimentos!