Categorias
Como usar as redes sociais SEO

Vale a pena ter um blog em 2020 / 2021? Veja o que os dados indicam

Confesso que sou suspeita para falar sobre blogs. E invariavelmente responderei que sim, vale a pena ter um blog em 2020, 2021 e a qualquer momento. Foi por meio de um Blogger (ou Blogspot? nem lembro ao certo) que tive uma das minhas primeiras experiências com publicações online e edição de HTML em 2000 (abafa que já se passaram 20 anos!).

De lá pra cá muita coisa mudou, mas o que não mudou é que um blog pode ser decisivo nas suas vendas e no investimento necessário para ter retorno com campanhas pagas. E é por isso que decidi traduzir para o bom e velho português os resultados da 7° Pesquisa Anual sobre Blogs, desenvolvida pela Orbit Media.

Vamos aos dados para entender porque ainda vale a pena ter um blog (e se você ainda não tem um, porque deveria repensar essa decisão).

Qual é o tamanho da concorrência?

Apenas a título de curiosidade, saiba que no mundo existem mais de 600 milhões de blogs em mais de 1,7 bilhões de sites. Mais de 2 bilhões de posts são publicados em blogs todos os anos, o que dá algo em torno de 4000 novos posts por minuto.

Em uma pesquisa de 2018, observou-se que 85% das empresas B2C (business-to-consumer, ou que vendem direto ao consumidor final) usam blogs nas suas estratégias de conteúdo e marketing digital, enquanto que 91% das empresas B2B (business-to-business, ou que fornecem para outras empresas) investem neste formato como parte da estratégia de conteúdo digital.

O Brasil é o 4° país com mais publicações em blogs.

Mas, quando analisamos a proporção entre o número de posts publicados e o tamanho da população, o Brasil fica com a 13° posição.

O que podemos aprender desses dados? Que há espaço para blogs no mercado brasileiro. Mas calma aí que eu tenho mais dados e insights para ajudar você a entender o que fazer para ativar um blog de sucesso para sua empresa ou para as empresas dos seus clientes.

Desse universo todo de publicações, 10% dos blogs acabam ficando com a maior parte do tráfego de um determinado tema. Mas o que é que os 10% melhores fazem que você ainda não faz no seu blog? Olha a lista:

  • Seus posts têm mais de 2000 palavras;
  • Cada post tem mais que 7 imagens;
  • Cada post tem, em média, 7 variações do título para compartilhamento em diferentes plataformas e momentos;
  • Contam com a colaboração de editores e outros criadores.

Além dos 10% melhores, podemos observar também o que os 5% melhores blogs fazem de diferente:

  • Investem mais de 6 horas escrevendo cada post;
  • Adicionam vídeo ao conteúdo;
  • Publicam mais de uma vez por semana.

Quanto tempo leva para escrever um bom post de blog?

A média é de 3 horas e 55 minutos atualmente. Esse dado pode ajudar, inclusive, na hora de fornecer uma proposta comercial para criação de conteúdo. Considere 4 horas de serviço por post de blog.

O mais interessante dessa linha do tempo é observar como o tempo de dedicação a cada post aumentou de 2014 para cá.

Aproveitei para perguntar lá no Instagram da Petit sobre essa questão do tempo. Aqui estão algumas das respostas que recebemos.

Samantha Schreiber, do Burnoutizadas
Como jornalista, eu herdei alguns processos de construção de texto da minha experiência em redação. Sempre faço a pesquisa antes, que é a parte do meu processo que mais varia – de duas horas a dois dias -, dependendo da complexidade do tema, se tem entrevistas ou se preciso compilar e traduzir muitos dados. Depois disso, a escrita em si leva até 2 horas.


Carol Kirsch, do gengibre.cc
Depende muito do assunto, da familiaridade que tenho com ele e do nível de profundidade que o blog se propõe a ter. Pode ser meia hora e pode ser 6 horas!


Marcia Breda, do Adoro Home Office
Eu diria que levo, em média, 3 horas para escrever um post de blog. Mas esse número de horas pode variar bastante, já que é uma construção com muitas variáveis. Por exemplo, se eu quero ouvir a opinião de entrevistados e especialistas, já sei que esse processo vai ser bem mais longo, por envolver uma produção anterior. Nesses casos posso levar dias para terminar um texto. Se vou falar sobre um assunto novo, a pesquisa prévia toma um tempo também. O contrário também acontece, quando faço textos sobre assuntos que estou muito acostumada. Nesses casos posso levar menos de 3 horas.

Qual é o tamanho ideal de um post de blog?

Em média, um post de blog em 2020 tem 1269 palavras. Mas esse número já foi bem menor, como em 2014 com a média e 808 palavras.

Apesar da média, lembre que os posts com mais de 2000 palavras acabam se destacando entre os 10% dos melhores resultados!

Com que frequência devo publicar no blog?

A questão até não é mais a frequência, que acabou diminuindo conforme as publicações foram ficando mais longas. O que importa atualmente é manter a recorrência ao mesmo tempo em que se mantém a alta qualidade.

De nada adianta publicar 2000 palavras diariamente se elas não agregam nada ao seu leitor. É melhor encontrar um equilíbrio entre frequência e tempo de dedicação ao blog, com o objetivo sempre de criar o melhor conteúdo possível.

Que tipo de conteúdo devo publicar no blog?

Não é nada surpreendente, mas os posts no formato how-to (como fazer) são os mais populares. Afinal, qual é o leitor que não gosta de aprender a fazer alguma coisa nova e qual é a empresa que não tem nada para ensinar?

Depois dos posts educativos (77% das publicações), temos na sequência as listas (57%); notícias e tendências (47%), guias e e-books (43%); artigos de opinião (43%); entrevistas (39%); conteúdo pago ou com paywall (30%); webinários (29%); infográficos (29%) e posts roundup que incluem dicas de especialistas, por exemplo (23%).

Em relação ao retorno (vendas, tráfego, etc.) das publicações, os produtores de conteúdo entrevistados na pesquisa indicam que os melhores formatos são conteúdo pago; entrevistas; guias e e-books; roundups; webinários; seguidos por infográficos; listas; posts como-fazer; notícias e tendências; e artigos de opinião.

O que não pode faltar no seu post?

Em geral, posts têm imagens (90%), mas também é comum encontrar estatísticas; citações de outros profissionais; vídeo e áudio.

O interessante neste ponto é observar como os blogs são visuais, e que poucos usam o recurso de trazer uma citação, que é uma opção de baixo custo e que aumenta o tráfego de forma orgânica. Tanto que, observando os relatos de resultado, posts com vídeo; citações e estatísticas são os que têm melhor performance.

O crescimento do conteúdo autoral

Quando se pensa em fontes de conteúdo, os dados e as informações podem vir de outros blogs, sites, revistas, livros, etc. ou podem ser coletadas pelo próprio autor do post. Essa segunda opção tem aparecido cada vez mais nas publicações.

O que se observa enquanto tendência é a publicação de dados de uma pesquisa própria pelo menos uma vez ao ano.

Como promover e gerar tráfego para seu blog?

Com uma certa frequência vejo que as pessoas insistem em acreditar que basta publicar conteúdo de alto valor e o Google vai fazer o resto. Não é assim (seria bom se fosse!), definitivamente. E você precisa de divulgação para que seu esforço de criação de conteúdo dê resultados.

O que mais chama a atenção é um crescimento contínuo do uso do e-mail marketing como forma de geração de tráfego, enquanto o uso das demais plataformas (mídias sociais, SEO, compartilhamento por influenciadores e campanhas pagas) apresenta queda.

De acordo com os produtores de conteúdo entrevistados, os melhores resultados são obtidos por meio de campanhas pagas e compartilhamento por influenciadores.

Preciso fazer SEO para meu blog?

Sim, sim e sim. Tudo bem que nem todos os temas interessantes correspondem a palavras-chave com alta procura e pouca concorrência, mas é importante estar sempre de olho nos dados de otimização do conteúdo para as plataformas de pesquisa.

Apenas 17% dos produtores de conteúdo entrevistados não se preocupam com SEO, o restante dos criadores faz pesquisa de palavras-chave para pelo menos parte das suas publicações.

Com que frequência devo atualizar meus posts?

Se você faz sua tarefa de casa e analisa os dados do seu blog, você sabe que muitas vezes são as publicações mais antigas que trazem a maior parte do tráfego orgânico para seu blog. E é por isso que a atualização de conteúdo precisa fazer parte da sua rotina de criação de conteúdo.

De acordo com os dados da pesquisa, 70% dos criadores entrevistados atualizam posts antigos como parte da rotina de criação de conteúdo e estratégia de conteúdo.

E, para concluir, quais são as melhores práticas para blogs em 2020 e 2021?

Quem sabe você já inclui algumas novas estratégias para seu blog em 2021? E depois conta pra gente o que deu certo!

Categorias
Como usar as redes sociais Empreender em Social Media Facebook Instagram Métricas SEO

4 Coisas que Você Deve Fazer Depois de Publicar um Novo Post no Seu Blog

Manter um blog atualizado é, possivelmente, a melhor forma de gerar tráfego para seu site, e isso vale para qualquer área de atuação. Mas depois de publicar no seu blog há 4 coisas que você precisa fazer ou seu post acabará se perdendo por falta de tráfego.

Um bom blog é importante para melhorar a posição do seu site no Google ou Bing, e ainda, para gerar tráfego de pessoas interessadas nas palavras-chave relacionadas ao seu negócio. E leitores podem virar consumidores, então continue a ler para ver como começar com o pé direito depois de clicar em ‘Publicar’.

1. Solicite a indexação do seu novo post no Google

Se a ideia é ter um blog que gere tráfego, a primeira coisa que você precisa fazer é garantir que o Google faça a indexação do seu post. Para isso, você precisa acessar a guia de Inspeção de URL do Google Search Console, colar a URL do seu post e aguardar a inspeção. Ao terminar, você verá um aviso de que esta página ainda não aparece nos resultados de pesquisa do Google, então clique em Solicitar Indexação.

O Google Search Console verificará se a nova página tem algum problema e, se estiver tudo certo, fará a indexação dela e você verá todos os elementos cinza ficarem verdes.

Pronto, seu post está ao vivo e disponível para o mundo. Vamos ao próximo passo?

2. Compartilhe nas redes sociais.

Parece até bobo dizer isso, mas se você precisa gerar tráfego a melhor forma de fazer isso é compartilhar seu link com o público que já conversa com sua marca nas redes sociais.

Antes de compartilhar seu post no Facebook, lembre de inspecionar sua URL no Depurador de Compartilhamento para ter certeza de que a imagem e o título corretos serão exibidos na sua publicação.

No Instagram você não pode usar um link no texto de descrição do seu post (bem, você até pode, mas ele não será clicável e acaba mais atrapalhando que ajudando), então lembre de pedir aos seus seguidores que cliquem no link que está no seu perfil.

Aproveite para ver nosso post sobre as 6 formas de compartilhar links no Instagram.

Se sua empresa está presente também em Twitter, LinkedIn e outras plataformas de redes sociais, compartilhe seu post por lá também e não esqueça do Pinterest.

O Pinterest  é plataforma muitas vezes deixadas de lado, mas se usado direitinho pode trazer resultados expressivos em Alcance para a marca (especialmente se sua marca estiver dentre as 10 categorias mais pesquisadas no Pinterest – Alimentos e bebidas; Decoração; Turismo; Saúde e Bem-Estar; Moda; Cabelo e Beleza; Faça-Você-Mesmo e Artesanato; Entretenimento; Casamentos; Eventos e Feriados).

Nosso desempenho recente no Pinterest. E o melhor: 100% orgânico.

3. Divulgue o post para seus assinantes

Você tem uma lista de assinantes, pessoas que já indicaram que gostariam de receber novidades sobre sua marca? Este é um bom momento para conversar com elas, mas lembre que não pode ser a única ocasião em que você conversa com as pessoas. Dê uma olhada no nosso post sobre Funil de Marketing para entender melhor como o e-mail entra na sua relação digital com consumidores.

4. Mantenha seu post atualizado

Se você pensa que seu trabalho termina no momento em que o post vai ao ar, está se enganando. Para que seu blog seja uma fonte de tráfego você precisará ter atenção aos sinais que indicam que seu conteúdo precisa ser atualizado.

O próprio Google Search Console pode ajudar você com isso, mas também o Google Analytics e outras ferramentas, como Ubersuggest (quem já fez nosso curso de mídias sociais sabe o quanto essa é uma ferramenta útil) e ClickFlow.

Anotou os 4 passos? Então agora é hora de criar seu novo post e colocá-los em prática!

Categorias
Métricas SEO

O que são parâmetros UTM e por que você deveria usá-los?

Alguma vez você já se perguntou de onde vem o tráfego do seu site? Então os parâmetros UTM vão mudar o seu mundo! Isso porque eles são a melhor maneira de conhecer o caminho exato que qualquer pessoa faz dos seus anúncios ou publicações até suas páginas de destino.

Embora você possa ver quem clicou em um link no Facebook, bem como o tráfego que chega ao seu site por meio do Google Analytics, os parâmetros UTM levam isso a um nível totalmente novo. Eles fornecem um contexto valioso sobre os seus visitantes que, por fim, ajuda você a criar campanhas melhores para a sua marca.

Mas o que são, exatamente, parâmetros UTM e como eles podem melhorar o seu marketing digital? Continue conosco e entenda!

O que são parâmetros UTM do Google Analytics?

UTM é o acrônimo para Urchin Traffic Monitor. Urchin é o nome do componente comprado pelo Google no começo dos anos 2000, que levou ao desenvolvimento do Google Analytics. O que realmente nos interessa é que os parâmetros UTM são pequenos fragmentos de texto que você vê algumas vezes no final dos URLs.

Eles são incorporados nos links para rastrear a ação cada vez que uma pessoa clica neles. Dessa forma, eles fornecem ao proprietário desse URL informações sobre qual anúncio, post, botão de CTA etc. foi clicado para direcionar um visitante a uma página específica de um site.

Qual a importância de usá-los?

Todo profissional de marketing sabe da importância de usar ferramentas para medir o andamento e os resultados de campanhas digitais. Entre elas está o Google Analytics, que também fornece informações sobre o tráfego que vem desses mesmos pontos de partida, de forma gratuita.

Contudo, os parâmetros UTM oferecem ao Google Analytics a possibilidade de obter resultados ainda mais precisos. Ou seja, eles são uma opção de rastreamento avançado que permitem que você tenha acesso a informações mais específicas.

Por meio deles, você analisa com mais facilidade de onde vem o tráfego do seu site e, assim, sabe quais ações geram mais cliques. Por exemplo: das pessoas que chegaram em um post do seu blog, você pode saber quantas delas vieram de uma campanha no Facebook ou no Twitter.

Essas informações são extremamente valiosas, pois permitem que você acompanhe os resultados de todos os seus canais de mídia digital e, claro, que você avalie quais ações estão dando certo com o seu público.

Como criar os links com parâmetros UTM?

Muito bem, mas como criar uma URL com parâmetros UTM afinal? Para isso, você pode usar o URL Builder, a ferramenta gratuita do Google.

Veja um exemplo de uma URL com parâmetro UTM:

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blog&utm_term=word

Agora, vamos às variáveis que podem ser utilizadas nos links para você rastrear:

  • URL: é o link original do seu site, o começo do rastreamento

http://nomedosite.com/

  • Campaign Source: é a plataforma que origina o tráfego (Facebook, Twitter, e-mail marketing etc.)

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blog&utm_term=word

  • Campaign Medium: é como o tráfego está chegando a você, seja por meio de uma postagem em rede social, e-mail, e-book etc.

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blog&utm_term=word

  • Campaign Content: nos testes A/B essa variável distingue links que levam o usuário à mesma URL

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blog&utm_term=word

  • Campaign Name: identifica o nome da campanha

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blogpost&utm_term=word

  • Campaign Term: rastreia as palavras-chaves usadas nas campanhas

http://nomedosite.com/?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=direct-ongoing&utm_campaign=blog&utm_term=word

Boas práticas para criar links com parâmetros UTM

Criar seus próprios parâmetros UTM exige um profundo conhecimento de sua estratégia de publicidade e marketing. Veja algumas dicas para garantir que você não aumente o seu próprio trabalho, nem que sua equipe crie outros modelos de acompanhamento:

  • você pode usar o encurtador de URL para deixa-la mais amigável;

  • use uma planilha para controlar os parâmetros;

  • não utilize acentos nem caracteres especiais;

  • padronize o formato de cada um dos cinco parâmetros;

  • use uma linguagem simples, de fácil compreensão e que não forneça códigos nem informações confidenciais da empresa;

  • os parâmetros UTM diferenciam maiúsculas de minúsculas, então, é preferível usar letrar minúsculas o tempo todo para não distorcer informações;

  • entenda que o sistema não é perfeito: os usuários podem facilmente excluir longas sequências de informações aparentemente inúteis ao compartilhar conteúdo em suas redes. Isso é o que torna tão difícil acompanhar um dark post. Embora os códigos UTM forneçam contexto adicional, nem sempre são transmitidos quando as pessoas compartilham os artigos diretamente.

Pronto! Agora você já sabe como criar parâmetros UTM para acompanhar o tráfego das suas publicações e campanhas. Uma vez que aquilo que não se mede não pode ser melhorado, utilizar essas ferramentas de rastreamento é uma excelente maneira de avaliar os resultados das suas ações de marketing digital para, então, melhor direcionar as suas campanhas.

Quer ter acesso a mais dicas como estas para melhorar a sua estratégia de marketing? Então passa no nosso blog para ler mais!

#SEO #Campanhas #Copywriting #Algoritmo

Categorias
Facebook Instagram SEO

Como gerar leads em mídias sociais?

Sejamos diretos: os seus próximos clientes estão nas mídias sociais. Ao encontrá-los — e encantá-los — você pode aumentar o ROI das suas estratégias de marketing digital e levar a sua empresa para outro patamar, acima de seus concorrentes.

Não é à toa que gerar leads é o foco de 66% das marcas. Afinal, quem não deseja ter fãs incondicionais divulgando o nome da empresa e, mais, convertê-los em clientes reais?

A questão é: como converter o público-alvo em clientes em potencial? Como atrair e engajar essas pessoas? Em outras palavras, como gerar leads em mídias sociais? Continue conosco, neste post, trazemos algumas dicas para você.

O que é lead?

Antes de falarmos em como gerar leads, precisamos saber exatamente o que é um lead. De maneira bem simples e direta, lead é aquela pessoa que demonstra um real interesse nos produtos ou serviços que você tem a oferecer. São os seus potenciais clientes.

Um lead demonstra interesse na sua marca ao fornecer seus dados de contato preenchendo um formulário na sua landing page, assinando sua newsletter, baixando um e-book ou se inscrevendo para um curso gratuito, por exemplo. Ou seja, é uma pessoa que, mesmo não tendo comprado seus produtos e serviços, está atenta ao que você faz e deseja saber mais sobre o assunto que você domina.

Ela fornece seus dados de contato em troca de algum benefício que você esteja oferecendo. Dessa forma, ao conseguir o e-mail ou o telefone desse lead, você tem a possibilidade de nutrir uma relação com ele, enviando conteúdos relevantes no momento certo, engajando-o para avançar no funil de vendas para, finalmente, concretizar a venda.

Portanto, é a partir dos leads que a sua marca adquire uma rede de contatos qualificados, leva pessoas a realizarem conversões (compras ou engajamento), amplia os relacionamentos e consegue uma divulgação orgânica para o negócio.

Como gerar leads nas mídias sociais?

Você conhece alguém que gosta de receber ligações de telemarketing ou e-mails aleatórios sobre assuntos e negócios dos quais nunca ouviu falar ou não tem interesse? Provavelmente, sua resposta é não.

Esse tipo de abordagem tende a ser rejeitada ou ignorada em vez de ser aceita com satisfação. E a razão é muito simples: as pessoas não querem ser interrompidas, não querem perder tempo com o que não lhes interessa.

Por isso, as estratégias de inbound marketing — as que buscam interagir com o público em vez de obrigá-lo a consumir uma campanha — têm crescido e revolucionado a maneira como as pessoas adquirem produtos e serviços.

Nessas táticas de engajamento é preciso criar conteúdo rico e coerente, capaz de gerar leads para serem capturados, identificados, nutridos e qualificados.

Isso significa que existem outras maneiras de aumentar a geração de leads que não apenas direcionando o público para um formulário na landing page. Veja a seguir algumas dicas para isso.

Ofereça conteúdo gratuito de qualidade

O comportamento dos consumidores mudou e, hoje, as pessoas preferem adquirir mais conhecimento sobre os seus próprios problemas para, então, se aprofundar nas possíveis — e melhores — soluções para eles.

Ao oferecer conteúdos mais extensos e mais completos, você demonstra para sua persona a sua autoridade no seu nicho e estreita a relação com ela. Uma maneira de entregar esse tipo de conteúdo e conseguir os dados de contato do usuário é por meio de conteúdo escondido.

Isso mesmo: compartilhe links com conteúdo escondido que o público só pode ter acesso se fornecer seus dados. Muitas pessoas vão clicar na sua landing page sem acessar o conteúdo (talvez não estejam tão interessadas assim), mas, se o seu conteúdo for relevante e interessante o suficiente, você obterá sucesso.

Esse conteúdo pode ser:

  • e-books;

  • cursos gratuitos;

  • webinários;

  • infográficos;

  • templates;

  • planilhas;

  • checklists;

  • ferramentas.

Encontre quem está procurando você

De nada adianta criar e disponibilizar conteúdo de qualidade se as pessoas não encontram o que você oferece. Utilize as ferramentas da internet a seu favor e seja ativo na busca por quem está perguntando sobre o seu segmento.

Assim, monitore e crie alertas para palavras-chave do seu segmento, menções do nicho, dúvidas, etc.

Invista em SEM (Search Engine Marketing)

Mesmo havendo outros mecanismos de buscas, a maioria esmagadora das pessoas vai recorrer ao Google. Por isso, saiba quais são os seus critérios de ranqueamento e crie seus conteúdos com base em estratégias de SEO (Search Engine Optimization) e links patrocinados.

Anuncie em mídias sociais

As postagens orgânicas são segmentadas até certo ponto e os anúncios direcionados levam sua segmentação a outro nível. Portanto, a capacidade de gerar leads em grupos de clientes potenciais é muito maior. O uso de públicos-alvo altamente específicos para promover um conteúdo exclusivo é uma ótima maneira de manter baixos os custos de publicidade e, além disso, garante que os leads coletados sejam de qualidade.

O marketing de mídias sociais evoluiu para incluir, além da simples segmentação, ferramentas específicas para geração de leads em mídias sociais: formatos de anúncios criados para ajudar os profissionais do marketing a coletar leads diretamente nas redes sociais.

Assim, algumas ferramentas disponíveis são:

Faça uma pesquisa segmentada geograficamente

A maioria das empresas já sabe usar a segmentação geográfica para veicular suas postagens e anúncios nas mídias sociais para alcançar seu público-alvo mais próximo ao seu negócio. Mas poucas marcas aproveitam a pesquisa social segmentada geograficamente para descobrir leads locais.

Por exemplo, você pode usar esse tipo de a pesquisa para rastrear os tweets provenientes do local de uma conferência do setor, independentemente de você estar lá ou não. Assim, você pode entrar em contato com as pessoas que tweetaram do evento com uma oferta personalizada (como uma avaliação do seu aplicativo), ou apenas para dizer olá e estabelecer uma conexão para desenvolver ao longo do tempo.

Aí vão algumas ferramentas para você:

Não subestime o CTA

Não subestime o poder da Chamada para Ação (Call to Action – CTA). Cada conteúdo criado e disponibilizado pela sua marca deve ser pensado a partir de estratégias que atraiam os potenciais clientes e os conduzam no processo decisório. O CTA é uma parte fundamental do seu conteúdo para tornar um visitante um lead e deve, portanto, ser adequado e coerente com o conteúdo, direcionando os usuários a uma ação específica.

Por exemplo, em um post de blog o CTA pode guiar a persona a ler outros conteúdos relacionados. Ou ainda pode levar a assinar uma newsletter, preencher um formulário, ter acesso a um e-book, etc.

Muito bem, aí estão algumas dicas para você investir e gerar leads nas mídias sociais. Lembre-se que, após o contato com o lead, você precisa nutrir essa nova relação para estreitar os laços com o cliente e avançar no funil de vendas.


Quer ter uma compreensão ainda mais sólida sobre mídias sociais? Inscreva-se na nossa Formação em Social Media EAD e aprofunde seus conhecimentos!

Categorias
SEO

O Que é SEO e Como Ele Pode Ajudar Sua Empresa?

O SEO é um dos assuntos mais comentados quando se fala em Marketing Digital, talvez por isso seja também um dos mais associados à misticismos e conselhos que não fazem muito sentido e não dão resultado. Por isso criei este guia para você entender o que é SEO e por onde começar a cuidar dele no seu site.

SEO é a sigla para a expressão Search Engine Optimization, que em português quer dizer Otimização para Mecanismos de Pesquisa. Ou seja, essas três letrinhas se referem a uma série de conceitos e estratégias relacionados a melhorar como um site é exibido em uma pesquisa.

Repita comigo: SEO não é CEO. O primeiro, pronunciado como éss-i-ou, relaciona-se à otimização. O segundo, pronunciado como si-i-ou, é a sigla de Chief Executive Officer, ou Diretor Executivo em português.

Já tínhamos falado aqui no blog sobre como fazer para seu site aparecer no Google, mas além dessa primeira fase, que é a indexação, é preciso trabalhar constantemente para que a plataforma de pesquisa compreenda que o seu site é o melhor resultado para determinadas palavras-chave. E é aí que entra o SEO.

Basicamente, os robôs que leem o seu site o tempo todo precisam compreender que os usuários estão interessados em ler o que você publica, ver seus produtos ou saber mais sobre a sua empresa, então o seu site precisa não só estar otimizado como também precisa estar atualizado, além de receber visitas constantes. O objetivo é aparecer na primeira página dos resultados de pesquisa.

Um caminho comum para melhorar o tráfego (número de visitas) do site é publicar um blog e compartilhar suas publicações em redes sociais, para que as pessoas tenham um motivo de acessar o seu site. Mas, atenção para um detalhe: não basta as pessoas visitarem, elas precisam permanecer por algum tempo no seu site. Quanto melhor a qualidade do conteúdo, melhor será essa visita e mais razões o público terá para seguir navegando no site.

Vou apresentar cinco pontos simples para você começar a prestar atenção na otimização do seu site e melhorar o seu posicionamento nos resultados de pesquisa.

Nos próximos posts apresentaremos conceitos mais aprofundados do que você pode fazer, ok?

Conteúdo

Os textos publicados no seu site precisam conter as palavras-chave para as quais você quer ser reconhecido e lembrado. Se a sua empresa é um restaurante, pode ser que o seu site precise ser encontrado quando as pessoas pesquisam a palavra restaurante seguida pelo nome da cidade, ou pela expressão onde almoçar em (nome da cidade).

– Crie conteúdo original: copiar textos (plágio) ou duplicar conteúdos pode levar a uma penalização do seu site, chegando a retirá-lo dos resultados da pesquisa.

– Observe a densidade das palavras-chave: a sua palavra-chave deve se repetir de forma constante, você pode planejar que a cada 200 palavras escritas 3 ou 4 sejam a palavra-chave. Use um contador de palavras para descobrir.

– Foco na qualidade: ao usar as palavras-chave desejadas, elas precisam fazer parte do contexto das frases, não adianta inserir uma linha da palavra lá no fim do post com a mesma cor do fundo para “esconder” do leitor, isso também pode levar à penalização. Escreva um bom texto, que atraia o leitor e dê motivos para ser lido até o fim.

Imagens

O Google não lê imagens, mas ele pode ler as descrições e os nomes das imagens que você publica no seu site.

– Atualize as descrições ALT: quando você publica uma imagem, deve associar a ela uma descrição alternativa. Essa descrição é usada para que pessoas com deficiência visual tenham acesso a todo seu conteúdo e nela deve constar sua palavra-chave. Lembre de criar descrições curtas e de fácil compreensão.

– Dê fim às imagens quebradas: aquela imagem que não carrega pode ser um problema para o ranking do seu site, especialmente por diminuir o tempo de navegação e o interesse do visitante. Revise suas imagens e substitua aquelas com problemas.

Meta descrições

Toda página do seu site tem uma meta descrição, que pode aparecer nos resultados de pesquisa ou no compartilhamento do link, e elas são importantes para conquistar a atenção do leitor.

– Revise suas meta tags: elas precisam ser únicas, conter a palavra-chave, e não podem ser copiadas ou duplicadas. Você pode usar uma ferramenta de revisão de meta tags ou o depurador do Facebook para verificar o que está associado à cada página do seu site.

Títulos

O título de cada página do seu site é de fundamental importância para os robôs que fazem a leitura, é a partir do título que a plataforma saberá qual palavra-chave buscar no conteúdo e como entregar este conteúdo nos resultados de pesquisa.

– Revise seus títulos: eles precisam conter a palavra-chave e precisam ser únicos. Cuidado com o tamanho, tente mantê-los com 50 a 60 caracteres.

Links

Use links internos e externos no seu conteúdo. Você pode linkar para outras páginas do seu site (link interno) e pode linkar com outros sites que sejam importantes para o seu leitor (link externo).

– Quantos links posso usar? Tente não usar mais que 100 links em uma página.

– Cuidado com links quebrados: links quebrados – aqueles que levam o usuário para uma página de erro ou direcionam para o lugar errado – podem ser um problema, então vale usar uma ferramenta de verificação dos links publicados no seu site para descobrir quais devem ser atualizados.

– Redirecionamento 301: para as páginas que forem excluídas do seu site lembre de inserir um redirecionamento. O redirecionamento 301 avisa que aquela página não está mais lá, e automaticamente leva o usuário para o novo destino, sem que ele dê de cara com a parede.

Agora que você conhece estes 5 pontos de verificação básica, que tal dar uma conferida no seu site e descobrir se está tudo em ordem? Dá tempo de começar a organizar a casa até o nosso próximo post sobre SEO, hein!


Gostou deste post? Talvez você também goste de:

Ler mais sobre Marketing Digital

Conhecer nossos cursos online.

 

Categorias
SEO

Como Otimizar Seu Blog

Você já se perguntou o que pode fazer para otimizar seu blog e alcançar mais pessoas na pesquisa orgânica? Existem alguns pontos importantes que precisam da atenção de quem escreve, vamos ver quais são?

1. Escolha das palavras-chave

A primeira ação que você precisa tomar ao escrever um post para blog é pensar em qual palavra-chave será o foco do seu texto. Essa palavra precisa estar relacionada ao seu produto ou serviço, e deve ser repetida de forma natural no decorrer do texto.

Para ajudar na busca de palavras-chave você pode usar sites como o Planejador do Google AdWords ou o Answer the Public.

Além de aparecer no decorrer do texto, é importantíssimo usar a palavra-chave no primeiro parágrafo, na conclusão, no link, no resumo, nas meta tags e nas alt tags. Assim, as ferramentas de busca poderão localizar o seu post quando se tratar daquela palavra-chave.

Mas, além disso, outros fatores são importantes para otimizar seu blog para a pesquisa. O seu post precisa ter relevância para o leitor, senão ele não clicará no link, não lerá até o fim e as ferramentas de pesquisa vão compreender que ele não é relevante.

2. Escreva para seu leitor

Lembre de sempre escrever para quem está lendo, e não para um público enorme e difuso. Quer ver um exemplo?

Compare as duas frases e responda: qual é mais simpática?

Frase 1: Para que as pessoas tenham uma vida mais saudável é preciso que elas pratiquem pelo menos 30 minutos de atividade física diariamente.

Frase 2: Para você ter uma vida mais saudável, pratique pelo menos 30 minutos de atividade física diariamente.

Por falar diretamente com o leitor, é melhor escolher o segundo caminho e, além disso, faz toda a diferença falar a linguagem do seu público, evitando usar muitas siglas, palavras difíceis de compreender ou em outras línguas. Vá direto ao ponto e veja como aumenta a chance de as pessoas se envolverem com seu post.

3. Cuidado com o tamanho

Quando se trata de otimizar posts de blog tamanho pode ser documento, sim. Existem diversas pesquisas que indicam que posts mais longos e com mais conteúdo prendem mais a atenção do leitor. Mas, calma, isso não quer dizer que você deve escrever um livro para o blog!

Cuide para ficar entre 500 e 2500 palavras, sempre com a preocupação de manter o texto relevante para quem lê.

4. Escreva conteúdo original

Esta aqui é uma regrinha de ouro para blogs. Eu sei que a tentação de copiar um texto de algum lugar, como uma notícia, é grande, mas resista!

Isso porque as plataformas de pesquisa, como o Google, estão atentas à copia de textos. Por isso, você pode até se basear em uma ou várias fontes na sua pesquisa, mas não deve copiar os textos integralmente, porque você pode perder o seu espaço na primeira página de resultados.

5. Revise seu post

Poucas coisas são piores que erros gramaticais em um texto. Antes de publicar faça uma revisão detalhada, usando o corretor ortográfico e gramatical do navegador ou do programa usado para redigir. Verifique acentos, vírgulas e palavras, para que tudo esteja correto.

Minha dica para depois de usar o corretor é ler o texto em voz alta e ver se todas as frases fazem sentido. Você vai ver que terá vários ajustes a fazer.

6. Escreva conteúdo fácil de compreender

Não tenha pressa ao escrever um post, a pressa vai fazer você escrever frases muito extensas, com repetição de ideias ou palavras e que vão acabar não fazendo sentido.

Para otimizar seus posts de blog prefira a voz ativa – “eu assei um pão”, ao invés de “um pão foi assado por mim” – e frases mais curtas.

E, lembra da palavra-chave que comentei lá no começo? Como ela vai ser sua ideia central, não tem porque escrever sobre outros temas em uma só publicação. Mantenha o foco e lembre que com as outras ideias você pode escrever outros posts.

7. Links internos e externos

Usar links internos e externos ajuda as ferramentas de busca a entender melhor o tema do seu blog, além de ajudar o leitor a compreender o que você está explicando, e isso aumenta a chance de ele querer navegar pelo seu blog.

Links internos são aqueles que levam o leitor para outras páginas dentro do seu próprio domínio, e links externos levam o leitor para outros domínios que tenham conteúdo relevante.

8. Escolha categorias e tags certas

As categorias e as tags são ferramentas usadas para organizar o conteúdo do seu blog, e elas serão usadas pelo seu leitor para encontrar outros posts sobre um tema que seja importante para ele. Assim, escolha com cuidado as tags e as categorias ligadas à cada publicação.

Não faz sentido escolher 100 tags para um post se elas não têm a ver com o que foi escrito.

Com esses cuidados simples você poderá otimizar seu blog, buscando um melhor resultado orgânico e mantendo a atenção do seu público ao que você publica.

Então, vamos começar a otimizar?

Se você tiver alguma dúvida pode escrever pra gente na página do Facebook ou pelo email! 🙂